domingo, 18 de maio de 2014

Iehouah יהוה Elohim Adonai - Iehouah יהוה Inteligência Soberana - O Judaísmo não define a si mesmo. Os sábios do judaísmo são pessoas dedicadas a reunir o máximo potencial Iehouah latente em cada um, nos antecessores e na totalidade da variedade unificada. O Talmude submete-se à Torah escrita, oral e tanto é afetado pelas limitações de tempo e espaço bem como está sujeito também a variações da existência. O legado messianista judeu e mesmo os justos rabinos jamais puderam decretar o que é e o que não é a ponto de usurpar a Soberania da Inteligência Infinita - Judeu pode ser sionista declarado ou silencioso, mas ao negar o Estado de Israel NÃO É JUDEU PRATICANTE DA TORAH DE MOISÉS, DAVI, SALOMÃO, ISAÍAS, MACABEUS, AKIVA E TANTOS OUTROS - Esta é uma pessoa confusa alheia ao poder documental e sagrado da Torah Legada por Mosheh e do Povo político-tribal, religioso-intelectual, pátrio-comunitário de Israel desde de Avraham até o presente em suas diferentes fases e identidades. Em 2002 Saramago usou a visão de coitadismo para vomitar ao mundo que os mesmos assassinos contentes de qualquer israelense (e patrocinadores destes) não podiam e não deviam ser detidos por um muro e medidas de segurança. Vá ver o que nosso Brasil aliado com Argentina, Uruguai e Ingleses fez ao Paraguai na Tríplice Aliança? Ou o que se fez aos paulistas que tentaram se tornar um país dentro de um país? Israel tem que ser o circo dos cínicos bons da fala do mundo inteiro? Em 2009, a Operação Chumbo Fundido foi uma das medidas militares mais amargas porém corretas de Israel, talvez desde que dede a década de 70, A,B Yehoshua a princípio teve que concordar com a necessidade do ato para depois fazer parte do apelo de cessar-fogo. Acompanhei fontes dos dois lados. Por síntese a falha de Israel foi e é deixar Gazah nas mãos de políticos e líderes que gritam pro mundo 'ui, ai' enquanto obrigam e treinam suas crianças para matar cruelmente qualquer israelense e lutar contra a ocupação que nunca existiu pois em 1948 um insignificante israel quase desarmado foi atacado por milhões de árabes muito bem armados - após 3 gigantescas guerras, os árabes que tentaram exterminar judeus dos quais eram vizinhos primeiro foram se asilar com irmãos árabes de outras nações este os maltrataram, mataram e expulsaram - quem os recebeu? Israel. O que as vítimas dos seus irmãos árabes fizeram e fazem em troca? Iniciaram a resistência de uma Palestina que nunca existiu! O que querem? Aquilo que nunca deram seja para estas ou outras terras; a prosperidade e o equilíbrio próprios de Um Israel que com ou sem democracia - enquanto houver raça humana - tanto é como será Uma Nação E Um Estado Judaico - Com todo respeito aos intelectuais citados abaixo uma visão justa e equilibrada somente pode entender a distância que pessoas assim tem do sionismo como uma sequela da doença do antisemitismo, ainda que direcionado para focos específicos. Por Iehouah יהוה que vive: Sionistas já se tornaram uma expressão da beleza imortal do Creador na humanidade - Seja o Judaísmo Hebraísta tanto uma voz como uma memória disso.





27/03/2002 - 23h39

Para Saramago, israelenses são "judeus nazistas"

PUBLICIDADE
da Folha de S.Paulo

O escritor português José Saramago - alvo de críticas em Israel após ter comparado o sofrimento dos palestinos sob ocupação das tropas israelenses com o sofrimento dos judeus nos campos de concentração nazistas - voltou ao ataque hoje e declarou: "Não retiro nada do que disse".

O vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, que se reuniu nesta semana com o líder palestino Iasser Arafat em Ramallah, fez novas críticas, em Jerusalém, à política do governo de Ariel Sharon.

"A repressão israelense é uma forma mais perversa de apartheid", disparou. "Ninguém tem idéia do que acontece aqui, por mais bem informado que esteja. Tudo está arrasado por escavadeiras; as aldeias foram destruídas e nada pode ser cultivado."

Saramago repetiu as comparações que deram início à polêmica: "Tudo isso tem uma ar de campo de concentração que me faz lembrar de Auschwitz. (...) Os israelenses se converteram em judeus nazistas."

Os leitores de Saramago - escritor bastante popular em Israel, com vários títulos traduzidos ao hebraico - estão devolvendo às lojas os livros comprados recentemente. Algumas livrarias já retiraram obras como "Ensaio sobre a Cegueira" das estantes.

Segundo o diário "Yediot Ahronot", o livro "Todos os Nomes", que chegou a encabeçar a lista dos mais vendidos no país, é alvo agora de um boicote.

A TV pública do país cancelou uma entrevista que tinha marcado com o escritor, que deve se encontrar amanhã com autores israelenses em um evento literário no teatro árabe de Yaffo, antiga região portuária de Tel Aviv.

Com agências internacionais

Leia mais no especial Oriente Médio

(http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u39017.shtml)

Conclusão: Uma pessoa pode ser hebréia, sionista e israelense. Pode ser cristã, chinesa e sionista. Uma pessoa pode ser israelense, cristã e de origem ariana. Mas jamais pode ser judeu e sionista simultaneamente, porque os fundamentos do Judaísmo e do Sionismo contradizem-se, como explicam as organizações de judeus ortodoxos antes mencionadas, que têm esclarecido a diferença fundamental entre Sionismo e Judaísmo: (http://www.nkusa.org/foreign_language/spanish/UASR.cfm).

A ideia de que “judeu” e “sionista” são sinônimos é una falácia inventada pelo movimento sionista para diminuir as comunidades judaicas dispersas pelo mundo e transladá-las para Palestina, convidando os judeus a desconhecer a proibição de Deus e dos seus sábios, dizendo-lhes que na realidade o Judaísmo não é religião mas sim uma cultura e um conjunto de tradições, o que é absolutamente falso. Engano este que o mundo parece acreditar, inclusive árabes e muçulmanos, chamando judeus aos sionistas e vice-versa.

Por último, à luz do exposto, Israel não pode ser lingüísticamente denominado como um “Estado Judaico“.

A maioria dos hebreus e judeus em geral têm muitas dúvidas sobre tudo o que diz respeito a Israel; alguns estão contra e outros estão a favor da sua existência como Estado, mas são poucos os que defendem Israel sem reservas e justificam os seus crimes. Quanto aos sionistas, a maioria deles não são nem judeus nem de origem hebraica. Inclusive, como é do conhecimento público, as igrejas evangélicas da América Latina são abertamente sionistas.

A reprodução total ou parcial deste artigo está permitida, citando o autor, sob licença de Creative Commons, 2007.

Nota do tradutor: Em português do Brasil e em língua castelhana, a diferença entre israelense (israelí em castelhano) e israelita é facilmente identificada. Em português europeu o termo “israelitas” refere-se aos cidadãos do estado de Israel e também ao termo bíblico referente ao povo judeu.

Autor: Moámmer Darman al-Muháyir

Fonte: WebIslam
Tradução: Sionismo.net


«O que estamos tentando fazer é levar os lideres (palestinos) a parar a agressão (contra civis israelenses)» frase proferida pelo escritor A. B. Yehoshua aquando da invasão israelita a Gaza, para justificar o impulso israelita.

Publicada por Marco Gomes
Etiquetas: Cinismo, Gaza, Israel, Palestina, Política Internacional


(http://remisso.blogspot.com/2009/02/o-que-estamos-tentando-fazer-e-levar-os.html)
Sobre a Operação Chumbo Fundido de 2009. Penetração em Gazah com 1.300 baixas
palestinas e 13 israelenses das quais 3 de não soldados.