segunda-feira, 26 de junho de 2017

. Golda Meir ocupou o cargo de Primeira Ministra, sucedendo a Levi Eshkol, que morreu enquanto estava no cargo. Em Setembro de 1970, o Rei Hussein da Jordânia lançou uma campanha militar para expulsar a OLP do seu país e restabelecer a sua monarquia. Quando a Síria invadiu a Jordânia, com a intenção de ajudar a OLP, Israel reuniu tropas na fronteira síria e a Síria retirou as suas f...


RAMADÃO 2017 - BALANÇO DE VÍTIMAS
Oliveira da FigueiraemAmigo de Israel - Há 20 horas

*E aqui está o balanço provisório do Ramadão de 2017: * *174 ataques terroristas em nome do Islão, tendo causado 1595 mortos. Pelo menos um era português.* *Lista completa e detalhada no site The Religion of Peace. * *No mesmo período, registaram-se dois ataques contra os muçulmanos, como represália anti-jihadista, que causaram 2 mortos.* *No 1º caso, não é claro que o muçulmano tenha sido morto em consequência do ataque, pois já estava a ser assistido antes:* *"Terrorista" de Finsbury Park tinha história de problemas psiquiátricos* *No 2º caso, não se sabe quem alvejou o muçul... mais »

Crianças do Massacre de Manchester "tiveram o que mereciam"
Oliveira da FigueiraemAmigo de Israel - Há 22 horas

*Suspeito de terrorismo diz que as crianças mortas no Massacre de Manchester "tiveram o que mereciam"* *Um suspeito de terrorismo islâmico disse que as crianças inocentes mortas no atentado suicida na Manchester Arena **"tiveram o que mereciam"*. Os comentários repugnantes de* Rachid El Omari *foram proferidos durante uma audiência judicial em Espanha, onde foi internado na prisão enquanto uma investigação sobre um plano de ataque terrorista continua. O homem de 32 anos é acusado de planear um ataque terrorista em Madrid e recrutar novos membros para o *ISIS*. O juiz *Ismael Mor... mais »

CONVERSAÇÕES DE PAZ ISRAELO-PALESTINIANAS CONDENADAS AO FRACASSO
ShalomemSHALOM ISRAEL - Há um dia

Representantes palestinianos afirmaram que o enviado do presidente norte-americano para as conversações de paz entre israelitas e palestinianos, o judeu Jared Kushner terá dito que será Trump a decidir se as duas partes estão ou não preparadas para o processo de paz, ou se pelo contrário a iniciativa terá de ser cancelada. No seu encontro com Mahmoud Abbas, o representante norte-americano, genro de Trump, terá pedido ao líder palestiniano para apresentar a sua visão para uma solução política, tendo sido pedido o mesmo ao primeiro-ministro israelita Netanyahu. Kushner apresentará ago...mais »

Suécia: Mutilação Genital, Estupro, Sharia e o Fim
Oliveira da FigueiraemAmigo de Israel - Há um dia

(Não perca o último vídeo, no final do post) *Suécia: 150.000 mulheres sofreram Mutilação Genital; **grandes áreas sob o domínio islâmico* *Viver sob o único "governo feminista" do mundo está a tornar-se cada vez mais perigoso, especialmente para as mulheres. **Grandes partes do país, incluindo a capital, Estocolmo, são efectivamente governadas por muçulmanos aderentes à Sharia.* Um novo relatório fornece informações perturbadoras sobre as mudanças no tecido da sociedade sueca que seguiram um influxo sem precedentes de refugiados e migrantes muçulmanos. O relatório é parcialme... mais »

300 MIL PALESTINIANOS "INVADEM" O MONTE DO TEMPLO PARA AS ÚLTIMAS REZAS DO RAMADÃO
ShalomemSHALOM ISRAEL - Há 2 dias

Ontem à noite mais de 300.000 palestinianos subiram ao Monte do Templo, em Jerusalém, para o ritual da *"Laylat al-Qadr"* (Noite do Poder), a última noite do longo período do jejum do Ramadão, com a duração de um mês). Devido ao assassinato de uma jovem polícia israelita há poucos dias atrás, as autoridades israelitas suspenderam as permissões de entrada em Jerusalém a palestinianos com idades compreendidas entre os 12 e os 40 anos oriundos da Judeia e da Samaria. Para este último dia do Ramadão, as autoridades de Israel estão permitindo a entrada a homens com mais de 40 anos, a mulh... mais »

História de Israel - Guerra do Yom Kippur
Oliveira da FigueiraemAmigo de Israel - Há 2 dias

*Mais um post da série **HISTÓRIA DE ISRAEL*: *Bibliografia:* *Stand With Us. * *Jewish Virtual Library* *Myths and Facts* *Guerra do Yom Kippur* *A terceira década de Israel foi um tempo volátil. Golda Meir ocupou o cargo de Primeira Ministra, sucedendo a Levi Eshkol, que morreu enquanto estava no cargo. Em Setembro de 1970, o Rei Hussein da Jordânia lançou uma campanha militar para expulsar a OLP do seu país e restabelecer a sua monarquia. Quando a Síria invadiu a Jordânia, com a intenção de ajudar a OLP, Israel reuniu tropas na fronteira síria e a Síria retirou as suas f... mais »

YEHOWAH TSEVA'OT; IEHOUAH DOS EXÉRCITOS TE ABENÇOE ISRAEL E AOS SEUS AMIGOS. PARABÉNS TSAHAL, JUDEUS, SIONISTAS E ALIADOS, POIS PAZ E AMOR NÃO EXISTEM SEM VIDAS HUMANAS VIVAS E SOMENTE SE DEFENDENDO A NÍVEL GLOBAL ISRAEL PODE TRABALHAR ESTE E OUTROS OBJETIVOS. MÍSSEIS E OGIVAS ASSIM COMO SOLDADOS E GUERREIROS SÃO INSTRUMENTOS Á SERVIÇO DO SOBERANO IEHOUAH ELOHIM, SEMPRE QUE POSSÍVEL ESTARÃO ENVOLVIDOS EM OUTROS ASPECTOS DA CONSTRUÇÃO GLOBAL, PORÉM - CONTINUAMENTE - DEVEM SER OS SENTINELAS MAIS POTENTES DA HISTÓRIA HUMANA




Israel prepara contêiner marítimo com surpresa para seus adversários (VÍDEO)
© AP Photo/ Ariel Schalit
DEFESA
11:52 25.06.2017URL curta
37429964
Os militares israelenses lançaram um míssil balístico a partir de contêiner, transportado clandestinamente na coberta de um navio de carga.

O gigante da indústria militar israelense IAI (Israel Aerospace Industries) realizou um teste bem sucedido um míssil balístico de curto alcance que cabe em um simples contentor de transporte marítimo. O sistema, conhecido por sua sigla LORA, existe na versão terra-terra mas o consórcio desenvolveu uma modificação naval.

"Esse foi um dos ensaios mais complexos que temos tido nos últimos anos e marcou um avanço tecnológico para IAI nas atividades de desenvolvimento de mísseis", disse o vice-presidente executivo do consórcio, Boaz Levi, citado pelo site DefesaNet.

Ele explicou que, pela primeira vez, o teste seguiu um "esquema operacional completo". Isso permitiu avaliar tanto a capacidade de manobra do sistema como a precisão do ataque.

© REUTERS/ JONATHAN ERNST
Netanyahu promete responder com força a qualquer ataque contra território israelenseO LORA tem um alcance máximo de 400 quilômetros e garante uma precisão de ataque de 10 metros. A característica mais notável deste sistema é que não apenas o míssil, mas o resto dos componentes, também se encaixam em contêineres. Para além disso, a implantação, desde a ordem até o disparo, ocupa menos de 10 minutos.

Potencialmente, esta tecnologia pode converter qualquer embarcação de carga em uma plataforma de ataque múltiplo com mísseis balísticos. O barco invasor pode se aproximar da costa ou até mesmo amarrar em um porto civil, preparar clandestinamente o ataque e abrir fogo quando o inimigo nem sequer espera.




...
64

por taboola
Links patrocinados Recomendado Para Você

Aprenda a tocar piano sem sair de casa. Comece aquiAprenda Piano

Pílula emagrecedora que virou febre chega em SalvadorSaúde Hoje

Melhor do que botox? Mãe com 57 anos aparenta 35, sem cirurgia!Lift Skin

.

Novo desafio: Que preocupa Israel mais do que os ataques de mísseis?

Força Aérea de Israel mostra seu caça potente de 5ª geração

Obama ameaçou mandar derrubar caças israelenses, diz jornal

Mais:Força Aérea de Israel atacou Frente al-Nusra e não tropas síriasHezbollah ameaça Israel com 'milhares de combatentes' de outros paísesSaiba o segredo do domínio aéreo de Israel no Oriente Médio
Tags:
míssil balístico, Marinha de Israel, Israel
Padrões da comunidadeDISCUSSÃO
COMENTAR NO FACEBOOKCOMENTAR NA SPUTNIK

domingo, 25 de junho de 2017

SEJA RETIRADO DAS FRONTEIRAS DE ISRAEL, O CONFRONTO E LEVADO PARA OS QUINTAIS QUE ISSO PROMOVEM

Imagem da história para ISRAEL de EXAME.com

Israel e rebeldes sírios formam aliança

EXAME.com-16 horas atrás
As Forças de Defesa de Israel (IDF) estão fornecendo ajuda militar a grupos rebeldes nas Colinas do Golan, no lado sírio da fronteira ...

SIM ISRAEL; SOMENTE VOCÊ TEM AS CONDIÇÕES DESEJADAS PARA LIDERAR EM TODOS OS SENTIDOS PELO BEM-ESTAR DO ORIENTE-MÉDIO


http://exame.abril.com.br/mundo/israel-e-rebeldes-sirios-uma-alianca/

Israel e rebeldes sírios formam aliança

De acordo com relatório, as Forças de Defesa de Israel estão em contato direto com os rebeldes, e a ajuda inclui dinheiro, alimentos e medicamentos

Lourival Sant’Anna, de Safed, Israel
As Forças de Defesa de Israel (IDF) estão fornecendo ajuda militar a grupos rebeldes nas Colinas do Golan, no lado sírio da fronteira israelense. A informação está em um relatório assinado pelo secretário-geral da ONU, o português António Guterres, e é detalhada em uma reportagem do jornal The Wall Street Journal (WSJ).
PUBLICIDADE
O objetivo é evitar que grupos hostis a Israel, como a milícia xiita libanesa Hezbollah e o Estado Islâmico, ocupem a região. Durante a inauguração de um centro de tratamento de câncer em Safed, perto da fronteira com a Síria, na segunda-feira 19, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu negou o caráter militar da ajuda, afirmando que se trata apenas de assistência humanitária.
De acordo com o relatório da ONU, publicado no dia 8, a IDF está em contato direto com os rebeldes, e a ajuda inclui dinheiro, alimentos, combustível e medicamentos. O relatório se baseia em informações dos militares da Força Observadora de Desengajamento das Nações Unidas (UNDOF), estacionada na fronteira.
Em sua reportagem publicada no dia 18, o WSJ afirma que a IDF criou uma unidade e tem um orçamento específicos para essa operação, e que o grupo mais beneficiado é o Fursan al-Joulan (Cavaleiros do Golan), que possui cerca de 400 combatentes. O grupo, que não é filiado ao Exército Sírio Livre e por isso não conta com ajuda das potências ocidentais, recebe cerca de 5.000 dólares por mês.
“Israel ficou do nosso lado de uma forma heróica”, declarou o porta-voz do grupo, Moatasem al-Golani, ao jornal. “Não teríamos sobrevivido sem a assistência de Israel.”
WSJ afirma ter ouvido “meia dúzia de rebeldes e três pessoas familiarizadas com o pensamento de Israel”. E que as relações secretas de Israel com os rebeldes sírios começaram em 2013.
A UNDOF monitora o cessar-fogo entre Israel e a Síria no Golan, ocupado pelos israelenses na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e faz relatórios periódicos. Nos últimos sete meses, os capacetes azuis constataram uma escalada nos contatos entre Israel e os rebeldes sírios. Pela primeira vez a ONU expressou preocupação de que essa parceria cause uma escalada do conflito na região e coloque em risco a segurança de seus observadores.
Nos últimos sete meses, eles testemunharam 33 encontros, dos quais 16 na primeira metade de maio. Em comparação, entre 30 de agosto e 6 de novembro, tinham sido vistos apenas dois encontros.
Eles ocorrem perto de uma das bases da IDF na fronteira e seguem sempre o mesmo padrão: rebeldes, alguns deles armados, chegam acompanhados de mulas de carga, e são cumprimentados pelos soldados israelenses. “Em alguns casos, foram transferidas pessoas e suprimentos em ambas as direções. Em todas as ocasiões, os indivíduos e as mulas retornaram para o lado Bravo”, detalha o relatório, referindo-se à Síria.
Nesses seis anos de guerra civil na Síria, Israel só tem atacado alvos no país vizinho para retaliar contra disparos que atingem seu território ou para destruir carregamentos de armas e suprimentos do Irã para o Hezbollah e matar comandantes da milícia xiita.
Entre julho e agosto de 2006, Israel realizou uma campanha de bombardeios no Líbano, com o objetivo de destruir a infra-estrutura do Hezbollah, que respondia com disparos de foguetes Katyusha e artilharia. Com ajuda do Irã, o grupo reconstruiu essa infra-estrutura, mas não entrou mais em confronto direto com Israel. Hoje se concentra em defender o regime sírio (apoiado pelo Irã e pela Rússia) na luta contra rebeldes seculares e sunitas radicais.
As últimas quatro edições dos relatórios da UNDOF afirmam também que a IDF tem mantido no Golan uma ou duas baterias do sistema antimísseis Domo de Ferro, artilharia pesada de 155 mm e lança-foguetes, em violação aos termos do cessar-fogo.
Netanyahu garantiu que Israel não intervém na guerra civil síria, mas apenas ajuda os necessitados. “Não nos envolvemos no que está acontecendo lá, nessa terrível realidade, mas damos assistência humanitária a crianças, jovens e mulheres”, justificou o primeiro-ministro israelense. “Vejo pessoas aqui que antes nos viam como inimigos, e eles entendem melhor do que nunca que o Estado de Israel é um modelo moral para o mundo. O tratamento é caro, e continuaremos a investir.”
Os contatos de fato começaram como ajuda humanitária. Reportagem publicada no dia 8 de dezembro de 2015 pela edição online do tabloide inglês Daily Mail descreveu uma operação de resgate de um combatente sírio gravemente ferido, no meio da noite, por comandos israelenses em um veículo blindado, que o levaram para um hospital militar no Golan.
Segundo a reportagem, esses resgates ocorriam quase todas as noites.
Um oficial do Exército israelense reconheceu que a missão era parte de uma estratégia de segurança, para “manter a fronteira norte quieta e nossos soldados a salvo”, usando o tratamento médico como “apólice de seguro”.
“Se os sírios quiserem que nossa ajuda continue, eles sabem que têm de impedir qualquer um de atacar nossos soldados e civis”, declarou o tenente-coronel Itzik Malka, comandante da unidade médica da Brigada do Golan. “Eles estão desesperados por nossa assistência médica. Não têm médicos, nem sequer um veterinário.” O oficial contou que uma vez atenderam um homem que tinha sido suturado por um companheiro com linha e agulha de costura.
No Centro Médico Ziv, em Safed, o assistente social Issa Peres, um árabe cristão de cidadania israelense, disse que muitos funcionários estavam contrariados de ter de atender os rebeldes sírios. “Muitos dos sírios me ofenderam, disseram que vão me matar, que vão lutar contra a comunidade cristã, e que quando estiverem a salvo, lutarão contra Israel”, contou Peres. “Eles destruiram igrejas e comunidades cristãs na Síria. Tenho que cuidar deles, é meu trabalho, mas não acho certo.”
Os pacientes ouvidos pela reportagem louvaram Israel. “Não vou lutar contra Israel no futuro”, disse Ahmed, de 23 anos. “Israel cuida dos feridos melhor que os árabes. Os árabes são cães. Antes de vir aqui, eu não diria isso. Mas muitos feridos vieram se tratar em Israel e me contaram. Eu me sinto seguro aqui. Mas quando sarar, vou voltar (para a Síria) para lutar.”
Mohamed, de 20 anos, cuja perna foi atingida pelo disparo de uma metralhadora artilhada, declarou: “Obrigado a Israel por me deixar entrar. O açougueiro (Bashar) Assad é meu inimigo. Israel, não. Quem o trata não é seu inimigo.” Ele também disse que voltaria ao combate na Síria.
“Eu não confio neles”, rebateu o assistente social Issa Peres. “Eles cresceram acreditando que Israel é o inimigo deles, o demônio. Você não muda a opinião deles tratando-os por duas semanas.”
Ironicamente, o médico encarregado dos pacientes sírios em Safed, Alexander Lerner, nasceu na Rússia — como muitos imigrantes hoje em Israel —, que apoia o regime Assad. “Estamos tentando construir a paz com nossos vizinhos e conquistar seus corações e mentes”, explicou Lerner. “Israel já salvou as vidas de 2.000 sírios. Esperamos que isso mude as posições deles, no futuro sejam mais amistosos com Israel e não lutem conosco.”
A verdade é que Israel não tem feito esse tipo de atendimento apenas para os rebeldes sírios. Em outubro, um hospital de Tel-Aviv atendeu um cunhado do presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas. No ano passado, a filha do líder do Hamas, Ismail Haniyeh, também recebeu tratamento em Israel.
A lógica ocidental tem certa dificuldade de assimilar isso, mas alianças táticas entre antigos ou futuros inimigos fazem parte da cultura do Oriente Médio. Na guerra civil libanesa (1975-90), as alianças entre as diversas milícias cristãs, sunitas, xiitas, palestinas e drusas eram tão móveis e enganosas quanto as dunas do deserto.
O general e ex-presidente Michel Aoun, líder cristão maronita, fugiu espetacularmente em um tanque das tropas sírias que ocupavam Beirute em 1990, refugiando-se na embaixada da França. Quinze anos depois, com a retirada síria do Líbano, tornou-se aliado de Assad.
O repórter de EXAME Hoje entrevistou Aoun nesses dois momentos diferentes de sua carreira. Em março de 1993, já exilado em Paris, ele contou que estava “organizando a resistência libanesa contra a ocupação síria”. Já em maio de 2011, de volta a Beirute, o general contou que no seu último jantar com Bashar Assad em Damasco, em 9 de fevereiro, na festa de São Marão (patrono dos maronitas), o ditador sírio lhe havia falado de seus planos de reformas democráticas na Síria.
No Curdistão iraquiano na época de Saddam Hussein, os dois arqui-inimigos líderes curdos, Jalal Talabani e Mustafa Barzani, alternavam-se em suas alianças com o ditador do Iraque e os aiatolás do Irã. Com a queda de Saddam e a autonomia do Curdistão, os dois grupos, que haviam travado uma sangrenta guerra civil nos anos 90, chegaram a um acordo sobre a repartição do poder na província rica em petróleo.
O próprio Estado Islâmico foi formado por militantes que estavam presos na Síria, e que foram soltos pela ditadura para se agrupar no norte e servir de prova da versão de Assad de que estava enfrentando grupos terroristas, não ativistas pela democracia. Tanto assim que, nos primeiros anos, o EI não entrava em choque com as forças leais a Assad, mas se concentrava em lutar contra os inimigos do regime.
A estratégia deu tão certo que imobilizou e desmoralizou os Estados Unidos de Barack Obama, que não cumpriu a ameaça de punir a Síria caso usasse armas químicas contra sua população. Obama temeu derrubar Assad e ver emergir no seu lugar um grupo radical sunita, como ocorrera no Egito e na Líbia.
Israel tem aprendido a navegar por esses mares revoltos, mantendo boas relações, ainda que secreta ou discretamente, com países como a Arábia Saudita e a Jordânia. A Turquia passou de parceira comercial a inimiga em 2010, quando apoiou a tentativa de rompimento do bloqueio da Faixa de Gaza por uma flotilha que levava 10 mil toneladas de ajuda aos palestinos. A flotilha acabou abordada pela Marinha israelense, resultando em nove mortes. Os dois países estão se reaproximando novamente.
Desde a Guerra do Yom Kippur (1973), apesar da retórica virulenta de Hafez Assad (pai de Bashar, que governou entre 1970 e 2000) e de seu apoio a grupos radicais palestinos e libaneses, a fronteira do Golan não deu dor de cabeça aos israelenses. E eles querem que continue assim.